terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Ceia e almoço de Natal na Itália

Ceia de Natal, 1905, aquarela. Carl Larsson (Suécia, 1853-1919)

O Natal é um dos períodos mais esperados do ano e até arrisco a dizer que, no Brasil, supera o Carnaval, já que esta festa não agrada a gregos e troianos. Eu me lembro das reuniões familiares nas casas das minhas avós (Natal em São Paulo, com a família paterna e Ano Novo em Minas Gerais, na casa dos meus avós maternos), dos presentes (que são muitos quando somos crianças) e das tradicionais ceias em que não podiam faltar o peru/chester/tender ou a leitoa assada, sempre acompanhados daquela farofinha bem brasileira, arroz com uvas passas, salpicão e salada de maionese (salada russa).

Quando vim para a Itália, conheci uma outra maneira de se festejar o Natal. Aqui, as comemorações desta época do ano variam de região para região, bem como os pratos servidos. Tradicionalmente, em algumas localidades italianas não há a ceia da Véspera e sim o almoço no dia 25. As famílias vão à igreja participar da Missa do Galo (Messa di Mezzanotte) e só no almoço é que trocam presentes e se reúnem. Hoje, muitas dessas tradições foram misturadas com usos de outras regiões da Itália ou substituídas pelos costumes modernos e "globalizados". 

O prato servido, tanto na ceia como no almoço, não é único em todo o país, como acontece no Brasil. Também não vemos o bom e velho peru ou leitoa nas mesas dos italianos, uma moda que já teve seu apogeu na Europa do século XVI e agora é uma tradição que importamos dos EUA. Cada região tem seu prato típico de Natal, embora se diga que os espaguetes com atum sejam o símbolo da ceia da Véspera. A Daphne, do blog Mamães na Itália, publicou uma lista (em italiano) de pratos natalinos típicos de cada região da Itália e que vocês podem conferir aqui. Na ceia e no almoço aqui em casa, acabo misturando um pouco a culinária italiana com a brasileira e até mesmo internacional. Não faço aquela típica ceia brasileira, muito trabalhosa e difícil de se encontrar, mas pratos um pouco mais elaborados que costumo preparar durante o ano em ocasiões especiais.

Mas os protagonistas da culinária natalina italiana são os famosos doces Panettone e Pandoro. O primeiro, nasceu em Milão no final do século XV e conquistou o paladar de toda a Itália e do mundo. Já o segundo, nascido no final do século XIX em Verona, por Domenico Melegatti, é o concorrente do panetone e também muito apreciado pelos italianos. 

O tradicional panetone milanês

Pandoro, sem confeitos e servido com açúcar de confeitaria





6 comentários:

  1. Ju, eu sou curiosa para conhecer a tradição natalina de uma família italiana, mas não será neste natal que terei a oportunidade, já que passarei com um grupo de uma igreja de brasileiros. Te desejo tudo de bom neste natal e um ótimo 2011. bju.

    ResponderExcluir
  2. Ju
    Adorei saber um pouco mais desta linda tradição!

    ResponderExcluir
  3. @Carla: também gostaria de passar o Natal com uma família italiana. A do meu namorado mora na Sicília e fica dfícil ir para lá. Se eu fosse cara de pau pediria para passar com os vizinhos! :D Feliz Natal para você e sua família!

    @Ines: obrigada e um feliz Natal para todos os seus!

    @Celia: que bom que gostou!

    ResponderExcluir
  4. Aqui por Portugal ao peru juntamos sempre o incontornavel bacalhau com couves. Nas sobremesas os fritos (filhozes, velhozes, sonhos, etc) e o Bolo Rei estão sempre presentes na mesa de Natal.

    E aproveitamos a tematica e desejamos-te um Feliz Natal para ti e para os teus Juliana!

    ResponderExcluir
  5. No brasil festejamos o NATAL com ceia com Peru,lombo de poco assado e caramelado, chester defumado com cravos, manjar branco e salada de frutas com sorvete. fazemos atambém a tradicional pecorino .

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita e comentário!

Mensagens ofensivas ou spam serão eliminados.

Se você tem alguma dúvida urgente, peço desculpas se não respondê-la logo. Verifique nos comentários, pois há muitos casos semelhantes que podem ser os mesmos que o seu!

Com a maternidade, o tempo se tornou muito precioso e tenho me ocupado quase completamente dos cuidados e da educação de minha filha.

Agradeço a sua compreensão!